terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Yoani diz que protestos na BA são como os 'orquestrados por terroristas'

Blogueira cubana diz não entender o 'porquê de tanta agressividade'.

Lançamento de documentário foi cancelado na segunda após manifestação.

Yoani sanches (Foto: Egi Santana / G1)


A blogueira cubana Yoani Sánchez criticou nesta terça-feira (19), em Feira de Santana, na Bahia, os protestos que fizeram com que o lançamento do documentário Conexão Cuba-Honduras fosse adiado. Na noite de segunda (18), um grupo fez uma manifestação no espaço Parque do Saber, provocando o cancelamento da sessão.


“Os gritos, os insultos, foi como se tivessem sido orquestrados por terroristas. Eu sou uma pessoa pacífica, e trabalho com o verbo, com a fala, não tinha porquê tanta agressividade. O que pude ver e questionar no debate foi que eles não leem o que eu escrevo no meu blog”, afirmou, na Câmara dos Dirigentes Lojistas de Feira de Santana.

Yoani conversou com jornalistas na manhã desta terça-feira (Foto: Egi Santana / G1)

Yoani, que é uma das principais vozes de oposição ao regime atualmente comandado por Raúl Castro, conseguiu viajar depois que o governo cubano extinguiu a exigência de permissão para a saída da população do país.

A mudança entrou em vigor em 14 de janeiro. Ela recebeu seu novo passaporte no dia 30 de janeiro. Após viagem pelo Brasil, a blogueira irá também para a República Tcheca, Espanha, México, Estados Unidos e Holanda.

A blogueira cubana fez questão de falar também sobre as questões levantadas pelos manifestantes, que a acusaram de ser financiada por países como os Estados Unidos e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Se isto fosse verdade, me digam por que eu continuaria até hoje caminhando pelas ruas de Havana? Este argumento eu conheço desde pequena, e é dado a todos que são contra o regime do meu país”, disse. Sánchez garantiu que vive da renda dos livros que escreve e dos artigos que publica em jornais.

“Eu conheci algo que molesta o governo, que é minha autonomia econômica, e isso provoca o governo. O sistema cubano está estruturado para que cada cidadão esteja preso em uma condição de viver apenas para a sobrevivência. No meu caso, tenho a grande gratificação de publicar livros, de escrever minhas colunas, e a partir do momento que critico o sistema em que vivo, provoco os governantes”, disse.

Yoani ainda exibiu uma carteirinha de identificação, que, segundo ela, lhe dá a condição de trabalhadora autônoma internacional.

Redes clandestinas
Outra questão levantada no protesto foi em relação ao acesso da ativista à internet, restrita em Cuba. “Não é um privilégio meu. A informação da internet circula em Cuba a partir de uma rede clandestina. Imagine que um cidadão tenha acesso a uma informação na internet, e que ele tenha uma memória flash, onde aquela informação pode ser gravada e distribuída para as pessoas, e assim sucessivamente. Além do mais, nada é mais atrativo que o proibido. Toda vez que o governo cubano fala mal de algo, lhe faz profundamente popular”, comentou.

“Eu poderia falar em tom de brincadeira: Se nos tempos difíceis de falta de alimento fomos capazes de inventar o picadinho de carne sem carne, como não podemos inventar a internet sem internet?”, questionou.

Lançamento de documentário
O lançamento do documentário Conexão Cuba-Honduras com a blogueira foi marcado por um protesto seguido de uma mesa de debate, na noite desta segunda-feira (18). A exibição do vídeo, programada para acontecer às 19h da segunda, acabou não ocorrendo.

Ao chegar ao local, a blogueira foi recebida por faixas e cartazes de protesto. Mesmo com a manifestação, uma mesa de debate foi criada e mediada pelo senador Eduardo Suplicy, que pediu ao público que "falasse, mas esperasse Yoani ter o direito de se defender de toda a acusação".

Aos gritos de protesto como "viva la revolución", os manifestantes perguntavam e a blogueira tentava ser entendida, enfrentando a dificuldade do idioma entre os presentes. Por conta do tumulto, a organização do evento decidiu suspender a estreia do documentário. Mesmo assim, Yoani ficou até pouco antes das 23h, quando ela deixou o local acompanhado de sua equipe.

Viagem
Em sua chegada a Feira de Santana, ela recebeu a imprensa por cerca de 10 minutos no hall do hotel onde está hospedada e ganhou de presente uma boneca, lembrança da Bahia.

Yoani Sànches em estreia de documentário, que foi adiada (Foto: Egi Santana / G1)

Senador Suplicy pediu ao público que 'esperasse Yoani ter o direito de se defender ' (Foto: Egi Santana/ G1)

A cubana chegou ao Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, em Salvador, por volta das 8h50 da segunda. Ela foi recebida por um grupo de cerca de 30 manifestantes da União da Juventude Socialista. Ela deixou o aeroporto sem passar pelo saguão de desembarque e sem falar com os jornalistas e seguiu direto de carro para Feira de Santana, com o amigo e cineasta baiano Dado Galvão, que a recepcionou no Recife.

Yoani Sanchéz em hotel (Foto: Egi Santana / G1)

Yoani Sánchez fala com a imprensa em Feira de Santana (Foto: Egi Santana / G1)

Ao chegar ao Recife, onde desembarcou durante madrugada da segunda, ela também foi recebida por um grupo de manifestantes pró-Cuba.

Yoani Sanchéz é recebida por manifestantes (Foto: Egi Santana / G1)

Roteiro
Na maratona da blogueira no Brasil, estão marcadas entrevistas coletivas, visita ao centro de Feira de Santana, encontro com jornalistas, tarde de autógrafos do livro "De Cuba com Carinho", além de um debate sobre a realidade cubana no ginásio de uma faculdade.

No dia 20 de fevereiro, ela deve retornar à capital baiana e conhecer o Porto da Barra e o Pelourinho. Nesse mesmo dia, ela segue para São Paulo.

O filme
Dado passou três semanas entre Cuba e Honduras para retratar as restrições políticas impostas por esses governos sobre liberdades, como a de expressão, no século 21. Yoani Sánchez, que é autora do blog "Generación Y", é uma das personagens principais, junto a Reinaldo Escobar, seu marido, além das Damas de Branco e do Conselho dos Ativistas dos Direitos Humanos.

A produção conta a história de Esdras López, jornalista do Canal 36, portal noticioso de Honduras que teve o trabalho cerceado durante o golpe militar ocorrido em setembro de 2009.