sexta-feira, 15 de junho de 2012

Dom Jaime Vieira Rocha, arcebispo de Natal, disse não aos políticos

O episódio "Padre Nunes em Natal" levou o arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, a recomendar a desfiliação partidária de padres do Rio Grande do Norte.


Em nota distribuída à imprensa, o religioso da Igreja Católica observa que "Podemos, sim, ser a voz crítica, objectiva e realista dos que não têm voz, sem comprometer a nossa imparcialidade e autoridade de pastores. Em nenhum caso devemos assumir uma posição em favor de algum candidato ou partido político".

Dom Jaime recomenda "à desfiliação partidária como sinal e testemunho pessoal de fé e de caridade, de profunda adesão ao dever que temos de promover a unidade, como fruto da espiritualidade vivida, de renúncia e despojamento de si mesmo, em favor de toda a Igreja de Cristo".

O arcebispo de Natal lembra que a aplicação das normas da Igreja, funda-se nos preceitos canônicos a que todos os padres já conheceram, antes da ordenação, e que de livre e espontânea vontade aderiram e prometeram obediência, em benefício da promoção e manutenção da paz e da concórdia entre os homens, fundamentada na justiça.

No Código de Direito Canônico, que é o Direito universal da Igreja Católica, a que todos os fiéis obrigam-se à observar, trata-se do que é conveniente ou não ao estado clerical. E ele prescreve:

a) Os clérigos devem se abster completamente de tudo o que não convém a seu estado, de acordo com as prescrições do direito particular.

b) Os clérigos evitem tudo o que, embora não inconveniente, é, no entanto, impróprio ao estado clerical.

c) Os clérigos são proibidos de assumir cargos públicos que impliquem participação no exercício do poder civil.

d) Os clérigos devem promover sempre e o mais possível a manutenção, entre os homens, da paz e da concórdia fundamentada na justiça.

e) Não tenham parte ativa nos partidos políticos e na direção de associações sindicais (...).

Na nota que distribuiu à imprensa, Dom Jaime faz referência às últimas notícias veiculadas pela imprensa potiguar, de que algum padre do clero natalense estaria disposto a participar do pleito eleitoral que se aproxima, como candidato a um cargo político. 

Este clérigo é Padre Nunes, da paróquia de Neópolis, cogitado para ser vice de Hermano Morais (PMDB). 

Padre Nunes é filiado ao Partido da República. E diante da posição contrária da Arquidiocese de Natal, ele desistiu da ideia de abraçar o projeto político do PR-PMDB.

O ministro Garibaldi Filho (Previdência)  e o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB) se reuniram com Dom Jaime para pedir a autorização da Igreja em favor da candidatura de Padre Nunes, mas não tiveram êxito.

Padre Nunes vai ficar onde está: à frente do rebanho de fiéis nas igrejas de Neópolis e de Capim Macio.